terça-feira, 17 de maio de 2011

Unipac Vale do Aço e CEPP discutem o problema da droga no âmbito clínico, social e jurídico

O crack é uma droga perigosa. A substância é cinco vezes mais potente que a cocaína e tem aparecido com frequência nos cenários clínico, social e jurídico. É um problema que precisa ser discutido com seriedade e urgência, uma vez que tem se inserido também no contexto familiar em um ritmo avassalador e gerando consequências trágicas.

Diante dessa preocupante realidade, a Unipac Vale do Aço e o Centro de Estudos e Pesquisa em Psicanálise (CEPP) realizam a jornada temática “Crack e psicanálise: uma pedra no caminho”, nos próximos dias 20 e 21 (sexta e sábado). “A intenção do evento é discutir e desenvolver propostas de enfrentamento da droga, partindo dos impasses que ela traz, seja ao campo jurídico, ao social e da assistência clínica”, explica a coordenadora do evento e professora da Unipac, Virgínia Souto Maior Sanábio. A jornada é resultado da parceria entre o curso de Psicologia da instituição de ensino e o CEPP.

O uso da substância, seja ele recorrente ou contínuo, provoca prejuízo físico, mental e social ao indivíduo, que pode colocar em risco a própria integridade física e a de terceiros. Estima-se que entre 0,5 e 0,7% da população mundial faça uso do crack, somente em Ipatinga são cerca de 1400 dependentes da substância.

Jornada
Na sexta-feira (20), às 20h, a abertura da jornada, que também tem apoio do Belle Residence Hotel, contará com a conferência “Crack e psicanálise: uma pedra no caminho”, ministrada por Maria Wilma Faria, psicóloga, psicanalista, terapeuta ocupacional, especialista em Saúde Mental e técnica do Centro Mineiro de Toxicomania. A atividade será seguida de debate.

No dia seguinte, sábado (21), a partir das 8h30, serão realizadas três mesas-redondas simultâneas, que abordarão os temas: crack social, crack jurídico e crack e a clínica. As mesas serão compostas por um expositor, que abordará a questão por 15 minutos; um debatedor, que comentará o assunto discutido; e um mediador, que abrirá os debates para os demais participantes.

A proposta da jornada é que, ao final dos debates, o mediador elabore uma ata com as ideias e discussões da mesa para apresentação em uma plenária final, que será constituída pela leitura das três atas, seguida de um debate aberto.

Inscrições
Os interessados em participar ainda podem se inscrever na Unipac Vale do Aço (rua Salermo, 299 - Bethânia), no Centro Psíquico (rua Jequitibá, 299 – Horto) e no CEPP (rua Euclides da Cunha, 62 - Cidade Nobre). O número de participantes é limitado. O valor do investimento é de R$ 20 para estudantes e de R$ 40 para profissionais e será fornecido certificado ao final do evento. Mais informações 0800 724 2300.

Programação - “Crack e psicanálise: uma pedra no caminho”

 20/05 – (Sexta-feira)
19h30 - Credenciamento
19h45 - Abertura
20h – Conferência
Coordenadora: Maria Wilma Faria – Psicóloga, psicanalista, terapeuta ocupacional, especialista em Saúde Mental e membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Associação Mundial de Psicanálise.
20h45 - Debate

21/05 – (Sábado)
8h30 às 10h30 – Mesas-redondas simultâneas
- Mesa: Crack social
Participantes:
Juliana Corrêa Andrade – Psicóloga, psicanalista, especialista em Psicanálise Aplicada à Saúde Mental e coordenadora de Atenção Especializada da Secretaria Municipal de Saúde de Coronel Fabriciano.

Adriana Condessa Torres - Terapeuta Ocupacional, especialista em Psicanálise Aplicada à Saúde Mental e coordenadora do CASAM - CAPS II de Coronel Fabriciano.

Humberto de Oliveira – Psicólogo, psicanalista e mestre em Estudos Psicanalíticos.

- Mesa: Crack jurídico
Participantes:
Maria Cristina Abrantes – Psicóloga, psicanalista, especialista em Psicanálise Aplicada à Saúde Mental e coordenadora do CLIPS – CAPS II de Ipatinga.

Walter Freitas de Morais Júnior - Graduado em Direito, especialista em Direito, Impacto e Recuperação Ambiental, mestre em Engenharia Ambiental e promotor de Justiça de Defesa da Saúde da Comarca de Ipatinga.

Marlí Maria Braga de Andrade - Juíza titular da Vara de Execuções Criminais da Comarca de Ipatinga.

- Mesa: Crack clínico
Participantes:
Elizete Gonçalves – Psicóloga, psicanalista, especialista em Psicanálise Aplicada à Saúde Mental e técnica Superior de Saúde do CLIPS – CAPS II de Ipatinga.

Gildásio Mendes – Médico, especialista em Saúde da Família (UFMG) e clínico geral do Programa de Saúde da Família (PSF) em Santana do Paraíso.

Maria Wilma Faria – Psicóloga, psicanalista, terapeuta ocupacional, especialista em Saúde Mental e membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Associação Mundial de Psicanálise.

9h30 às 9h45 - Coffee break
10h30 às 11h - Relatoria (elaboração de relatório pelos mediadores das mesas)
13h00 - Filme curta-metragem
13h30 - Plenária
14h30 às 14h45 - Coffee break
15h30 - Encerramento