sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Coordenadora da Unipac participa de Simpósio na UFV


Marilane de Cáscia Silva Santos
O destaque de docentes e graduandos da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Ipatinga (Unipac) em congressos e simpósios nacionais e internacionais não é novidade. Desta vez, quem leva o nome da Unipac Ipatinga à outra Instituição de Ensino é a Coordenadora do Curso de Educação Física da instituição, Marilane de Cáscia Silva Santos. A docente foi convidada a ministrar um minicurso na II Semana Acadêmica de Ciências Sociais da UFV, realizada entre os dias 22 e 26 de agosto.

Com o tema “Ciências Sociais e as transformações na sociedade contemporânea”, o evento promove debates acerca das transformações do mundo contemporâneo, problematizando desde novas tecnologias até mudanças comportamentais. E é no comportamento que está a temática do minicurso que será ministrado pela docente da Unipac Ipatinga, nesta quinta-feira (25). Marilane Santos discorrerá sobre o tema “O corpo travestido”, resultado de sua tese de mestrado.

A especialista explica que no minicurso serão abordadas questões relativas ao estilo de vida, comportamento e problemas vividos por travestis. “A homofobia, o preconceito, a transformação corporal – do masculino para o feminino –, técnicas  inadequadas utilizadas para adquirir o corpo desejado, aplicações indevidas de hormônio, relação com a escola (abandono dos estudos) são alguns dos assuntos a serem trabalhados”, enumera Marilane Santos.

De acordo com a coordenadora do curso de Educação Física da Unipac Ipatinga, a importância da aceitação da diversidade sexual e o respeito pelas diferenças na comunidade onde as travestis vivem também serão tratados no minicurso. “O objetivo é expandir e potencializar as discussões sobre as diferenças sexuais. Esta também é uma forma de ampliar o conhecimento dos alunos sobre um assunto tratado com muito preconceito na sociedade atualmente”, enfatiza.

Tese de mestrado

“O corpo travestido: estudo acerca de valores e comportamentos de um grupo de travestis da cidade de Ipatinga-MG” foi desenvolvido por Marilane Santos como tese de conclusão do mestrado em Ciência da Motricidade Humana, pela Universidade Castelo Branco (RJ).

O objetivo do estudo foi levantar os indicadores relativos à concepção do corpo de um grupo de travestis de Ipatinga. Para desenvolvê-lo, Marilane contou com a participação de 40 travestis, com idade entre 19 e 43 anos. Os resultados apontaram que as travestis começam a trabalhar muito jovens, preocupam com a saúde, são conscientes, usam preservativos e ainda abandonam a escola muito cedo.

Outra questão apontada como uma das maiores preocupações das travestis é a construção de um corpo feminino. A pesquisadora identificou em seu estudo que a convivência em territórios de prostituição possibilita que as travestis incorporem valores e formas do corpo e comportamento femininos. “É também nestes ambientes que elas conhecem truques e técnicas do cotidiano para prostituição, conformam gostos e preferências (especialmente os sexuais) e muitas vezes ganham, ou adotam, um nome feminino”, revela Marilane.

Reconhecimento

Em 2011, Marilane Santos foi agraciada com o Prêmio TOP FIEP BRASIL 2010-2011, entregue no 26º Congresso Internacional de Educação Física, realizado em Foz do Iguaçu, em Janeiro. Em Ipatinga, a docente recebeu os Prêmios Diversidade Sexual e Movimento de Gays e Simpatizantes (MGS).

Além da formação de Educadora Física e de ser Mestre em Ciência da Motricidade Humana, a coordenadora é doutoranda em Neurociências pela Universidad de la República do Uruguay. Inquieta com os direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis, Marilane também cursa uma nova graduação: Direito, pela Faculdade de Direito de Ipatinga (Fadipa).